sexta-feira, 29 de novembro de 2013

RAIOS PARTAM ESTA CANALHA

Estava uma pessoa descansada a gozar este inicio de
noite de fim de semana quando toca o telemóvel.
Número não conhecido, mas pensando que podia  ser
qualquer coisa urgente/importante atendi. Afinal era
do meu banco; meu não, mas do banco onde vou colocando
meia dúzia de tostões. Nem sei o que queriam, porque disse
logo, que salvo uma coisa urgente não era hora de incomodar
as pessoas, muito menos no inicio de fim de semana. Do outro
lado, a Senhora que não tem culpa nenhuma pois apenas está
a fazer pela vidinha, lá pediu imensas desculpas. Disse-lhe
que não era nada contra ela, que compreendia que ela estava a
fazer o seu trabalho, mas que não compreendia este tipo de
marketing do Banco. Mas estes tipos (Gestores/Administradores)
não percebem que com este género de abordagem aos clientes só
os afastam? Pela minha parte só me apetece chegar a segunda
feira e arranjar outro Banco que não me aborreça. É  que volta
e meia são inquéritos, são tentativas de vendas, "ofertas
de cartões" e sei lá que mais.
Quase que me apetece dar razão aos nossos avós que tinham
 o seu dinheirinho dentro da arca ou debaixo do colchão.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

HOJE

Foi dia de consulta do marido.
Desde a saida do Centro de Reabilitação não tem
havido grandes mudanças no que diz respeito a
melhoras. Aparentemente o médico que acompanha
o processo dele no Centro acha que ele iria melhorar
com uns tratamentos em sistema externo 2 ou 3 dias
por semana, ou até mesmo num novo internamento.
Mas, a política do Centro é saber se o paciente quer ou
está  disposto  a seguir os  tratamentos. Ora  quando
questionado sobre isto o marido disse que não a tudo.
E conhecendo-o como o conheço vai continuar a dizer
que não. Posto isto, e se é para ter uma melhor qualidade
de vida, não seria preferível não ter a vontade do paciente
em conta? Lembro que quando ele entrou no Centro pela
1ª vez também lhe fizeram a mesma pergunta e ele abanou
a cabeça em sinal de aprovação, mas se fosse o contrário
então ele teria vindo para casa e sem os tratamentos recebidos
possivelmente estava acamado ou em cadeira de rodas.
A minha opinião é que se é para melhor a saúde do paciente
não se deve fazer essa pergunta e só se o paciente recusar de
todos os modos os tratamentos então sim  há que respeitar.
Mais, o marido como já aqui escrevi está num centro de dia.
Tenho a certeza que se lhe tivessemos perguntado se queria
ir para lá ele tinha dito que não. Assim não lhe perguntamos,
mostramos dois Centros para onde ele poderia ir e demos-lhe
a opção de escolha. E mesmo sabendo que se ele pudesse
escolher ele tinha dito não, continuo certa que a ida para o
Centro de dia e o estar acompanhado na minha ausencia foi o
melhor para ele.
Não sei se estou certa ou errada, mas em minha opinião há
situações que tem de ser a família a decidir e não o paciente.
Tem nova consulta em finais de Janeiro, até lá tenho de o
convencer que voltar a fazer os tratamentos pode dar-lhe
melhor qualidade de vida.

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

FALTAM

30 dias para o Natal. Ás vezes, só ás vezes, o tempo voa.

domingo, 24 de novembro de 2013

DOS SONHOS

No Outono, mais ou menos até meio de Dezembro,
apetece-me viajar. Nesta época sinto saudades dos
aeroportos, de visitar cidades diferentes, de ver coisa
diferentes. Se fosse uma mulher livre e com tempo e
dinheiro, seria esta a época do ano escolhida para
viajar. Não longas estadias, mas fins de semana um
pouco maiores para passear por essas cidades europeias
que me apetece conhecer. E com o Natal  a aproximar-se
ainda vivia esse espírito de Natal que tanto gosto. (Este
ano anda um bocado fugido).
Depois mais próximo do Natal seria a altura de ficar por
casa, de preprar o Natal e de gozar a casa. Esta vontade de
estar em casa mantem-se até Março/Páscoa. Aí já começa
a apetecer saidas e fins de semana fora, mas por cá.
Já nos meses de verão ninguém me tirava a praia/piscina.
Se gostava desta vida? Acho que sim. (Se pudesse  pelo
menos durante um ano ia experimentar isto).
Mas como não tenho nem tempo nem dinheiro para isto
 resta-me sonhar.

sábado, 23 de novembro de 2013

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Afinal valeu a pena!
Grande Ronaldo.

AI QUE NERVOS!

Este jogo dá cabo dos nervos a qualquer um.
Só espero que seja para valer a pena.

domingo, 17 de novembro de 2013

POR CÁ

O bolinho do fim de semana.
Simples mas saboroso para acompanhar chá ou café.

Apesar de ter arrefecido, o sol foi uma presença constante
a convidar para o passeio à beira mar.

E sim, mais uma vez o fim de semana passou a voar.


sexta-feira, 15 de novembro de 2013

FINALMENTE

Fim de semana.
Estava mesmo a precisar.
Portanto vou aproveitar para descansar.
E como vai ser um fim de semana frio o
sofá e um livro vão ser os companheiros
perfeitos.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

SAUDADES

Tenho saudades da minha filha/netas.
Tenho saudades das minhas idas a Lisboa para as
visitar.
Tenho saudades dos almoços com a minha filha e das
nossas conversas.
Tenho saudades das nossas visitas às lojinhas preferidas
e das nossas comprinhas.
Tenho saudades de ter liberdade (eu que sempre detestei
sentir-me presa). Só que ao contrário de outros velhos
tempos não posso reclamar da minha falta de liberdade.
Agora ninguém é responsável por isso e como tal só me
resta aceitar.

domingo, 10 de novembro de 2013

O fim de semana voou.
Foi um fim de semana normalissimo, mas deu
para descansar. O melhor: dormir descansada e
acordar sem o toque horrível do despertador.

sábado, 9 de novembro de 2013

Esta semana andei "desaparecida".
O PC achou que precisava de descanso, portanto lá foi
para o Spa do costume. E ficou por lá uma semana inteira.
Ainda dei uma espreitadela "nos cantinhos" amigos, mas
não me entendo lá muito bem com o PC do marido. Está
todo trocado pois ele mandou-o programar ao contrário, ou
seja, o que no nosso pc funciona com os botões da direita no
dele são com os botões da esquerda e vice-versa.
Por outro lado a semana foi bastante cansativa, ainda não me
habituei a esta nova vida. A verdade é que ando cansada, sem
paciência e completamente desmotivada. E eu não era assim.
Sempre foi do género de ver o lado mais positivo da vida.
Todos os dias esforço-me para mandar às urtigas este raio
deste pessimismo que se instalou dentro de mim. Mas não
está a ser fácil. Mas vou conseguir. Vou,vou. Até porque
não quero tornar-me numa pessoa amarga e de mal com a vida.
Para a semana já me vão ouvir falar de vestidos, malas, vernizes
e cabelo. Antes vaidosa, podem dizer fútil, que amarga.



domingo, 3 de novembro de 2013

POR CÁ

As férias já acabaram e voltamos à rotina do costume.
Agora muito mais cansativa.
Tento organizar-me o melhor possível, mas ainda há falhas.
Gostava de comprar os legumes e fruta suficientes para a
semana, mas raramente acerto. O que quer dizer que a meio
da semana ao fim da tarde lá tenho de passar pelo super
mercado. E  perder tempo precioso. Mas este problema
já é antigo, só que antes tinha mais tempo livre.
De resto tudo igual.
O marido continua com imensa dificuldade a nível da fala.
O que é bastante complicado. Para mim e para ele.
Também está muito esquecido e faz muitas confusões.
Principalmente com medicamentos. Dou-lhe tudo certinho,
mas ele que não, e até fazê-lo compreender que está tudo
bem é uma carga de trabalho e de paciência.
E é isto por agora.