segunda-feira, 29 de maio de 2017

DO TEMPO

Em Maio o tempo é mesmo muito incerto. Tanto pode fazer um calor típico dos dias de verão, como um tempinho assim para o tristonho.
Fui até à capital e o que me valeu foi não confiar muito no tempo. Levei na bagagem uns sapatos fechados e um casaco mais quente. E deu bastante jeito, pois saí de casa num dia de verão e cheguei a casa com chuva.
E por cá continua o tempinho triste.
Parece que amanhã melhora. Oxalá!

segunda-feira, 22 de maio de 2017

JACANRADÁS

A baixa de Faro fica muito mais bonitas com estas árvores floridas.

domingo, 21 de maio de 2017

DOMINGO

Gosto das manhãs de Domingo.
Gosto de me levantar relativamente cedo abrir as janelas e ficar a "ouvir" o silêncio".
Nestas manhãs é um silêncio quase total, quer no prédio quer na rua. Não se ouvem barulhos, quase que não se vêm pessoas. E eu em casa só mais tarde, quando já se ouvem os barulhos normais do dia a dia é que ligo  a televisão. Até esse momento fico a gozar este momento. Haverá quem não goste. Se fosse um silêncio diário e total de certeza que também não ia gostar. Se há coisas que gosto é de movimento, algum barulho e pessoas. Mas confesso que estas manhãs de Domingo sabem-me muito bem. Hoje infelizmente não deu para tomar o pequeno almoço no exterior. Ao contrário dos últimos dias a céu está coberto de nuvens e o sol ainda não fez a sua aparição. Não é que esteja frio, mas às 7.30H  não apetecia muito pequeno almoço no exterior.

sábado, 20 de maio de 2017

POR CÁ

Osteopenia.

Pois era só isso que me faltava.
Ainda não falei com o médico.
E é isto.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

RENDAS


Mais uma vez a Junta de Freguesia promoveu uma exposição de trabalhos realizados em rendas.
Desta vez foram barcos totalmente cobertos em renda feita com lãs coloridas. 
Muitas horas de trabalho. 
Post especialmente dedicado às amigas que gostam (apreciam) esta arte.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

IRRA!

Já não podemos entrar numa loja (pelo menos aqui na zona) mas penso que já se tornou normal em todos os locais, que somos logo pressionados para comprar mais isto e mais aquilo. Ou dizemos que só entramos para dar uma vista de olhos e mesmo assim mostram-nos todas as "ofertas" fazendo-nos sentir que estamos a perder algo muito importante para a nossa sobrevivência, ou então compramos o que precisamos mas ainda assim lá vêm com as tais "ofertas".
Hoje  na famosa loja dos cafés (de certeza que sabem qual é), lugar que gostava de entrar pois o pessoal era super simpático (sem ser chato) comprei o que precisava e depois , não quer experimentar estes sabores novos? Se comprar quinze embalagens tem de oferta uma caixa de biscoitos. Logo agora que quero perder os malfadados dois quilos que se vieram alojar onde eu não queria.
Detesto sentir-me pressionada para comprar seja lá o que for.
Por outro lado gosto de uma ajuda sempre que preciso.
Há que saber distinguir estas duas coisas. 


sexta-feira, 5 de maio de 2017

CESTOS

No último "post" falei de canavieiras. 
Existem no Porto Santo ( e noutros locais) e nascem em locais húmidos.
No Porto Santo a partir destas canas fazem-se cestos como o acima publicado.
Têm geralmente dois tamanhos.  Para os cestos grandes são utilizadas canas com seis palmos de comprimento, para os pequenos canas com apenas três palmos de comprimento.
Noutros tempos estes cestos tradicionais tinham muita procura.
Actualmente estão em vias de extinção pois são raros os artesãos que se dedicam a esta arte.

segunda-feira, 1 de maio de 2017

"BONECOS DE MAIO"

E hoje quando saí para o meu passeio habitual encontrei estes simpáticos bonecos.
No Porto Santo de outros tempos era tradição fazerem-se bonecos para ir deixar nas casas das pessoas na madrugada do primeiro dia de Maio.
Também era habitual enfeitar as janelas e portas das casas com ramos de cana vieira.
Penso que estas tradições foram-se perdendo com o passar dos anos.
Aqui no Algarve, sei que em Olhão há esta tradição destes bonecos chamados de "Maios".
Nesta zona onde vivo nunca tinha visto.