quarta-feira, 31 de março de 2010

COMO ESCREVER UM LIVRO

Tivesse eu jeitinho para a escrita e todos os
anos podia publicar um livro.
Matéria não faltava.
Era só estar atenta ás conversas do motorista
e da assistente do autocarro em que viajo nas
minhas idas/vindas Lisboa/Algarve.
Ele é paixões, ele é desamores, ele é traições.
Cabe tudo.
Qual Margarida Rebelo Pinto?
Melhor muito melhor.